jueves, 25 de noviembre de 2010

1960 - FESTA DA MÚSICA POPULAR BRASILEIRA

Cuando la TV Record (Canal 7 de S. Paulo) anunció para el mes de setiembre de 1966, un II Festival de Música Popular Brasileira, seguramente muy pocos recordaban que en noviembre y diciembre de 1960, ya había auspiciado conjuntamente con el diario Última Hora una I Festa da Música Popular Brasileira, en Guarujá, San Pablo.

Su organizador, el periodista Tito Livio Fleury, se inspiró en el formato del famoso Festival de San Remo en Italia, que en 1958 en su 8ª edición había catapultado a la fama internacional a la canción Nel Blu Dipinto di Blu [Volare] y a su intérprete, Doménico Modugno.

Prácticamente, como ocurrió con el Festival do Rio, que había finalizado el 10 de noviembre en Rio de Janeiro, esta primera “fiesta” no tuvo mayor repercusión desde el punto de vista musical y por lo novedoso de la idea, resultó en un acontecimiento social más, del por entonces sofisticado balneario paulistano.

Se inscribieron alrededor de 400 canciones, y las seleccionadas participaron de cuatro rondas eliminatorias, la última el 29 de noviembre.

La escasa trascendencia, en parte, puede atribuirse a no haber sido transmitido por televisión y solo por radio cuyos niveles de audiencia eran bajos.

Tampoco los intérpretes y autores que participaban eran populares.

Los primeros provenían de la por esa época debilitada radio Record. No se editó, como se había prometido un álbum oficial, con los temas finalistas.

Entre los compositores, Armando Cavalcanti, autor con Klecius Caldas de marchas de carnaval como Maria Candelária (1952) y Maria Escandalosa (1955) y del samba Máscara da face grabada por Dircinha Batista en 1953 y José Assad "Beduíno” autor de A rainha do Nilo (1950), Valete (1955), Barbeiro de Sevilha (1953), Nega benzedeira, Valeska, Minha Capa de Toureiro, habían alcanzado alguna popularidad.

El propio ganador del Festival, Newton Mendonça (14-2-1927/22-11-1960), era un pianista carioca que a pesar de ser el autor con Tom Jobim de Desafinado, canción-manifiesto de la bossa nova y grabada por João Gilberto en 1958, no era todavía muy conocido. También con Jobim, Mendonça era el autor de varios clásicos de la bossa-nova, que a la altura del festival ya habían sido grabados: Meditação, por Isaurinha Garcia en 1959 y los del álbum “O amor, o sorriso e a flor” de João Gilberto: Samba de uma nota só y Discussão.
Lamentablemente, falleció como consecuencia de un infarto agudo de miocardio pocos dias antes de la final, dejando una obra importante, revalorizada con el tiempo.

En lo relativo a la repercusión posterior, Lucio Cardim Filho, tuvo su samba-canción Juizo final grabada en 1961 por Antônio Martins y también por Ângela Maria; Jamelão grabó Matriz ou filial de 1964, regrabada por Simone en 1975.

Una joven Vera Brasil [Vera Lelot] que presentó Rimas de ninguém, desarrolló su carrera como compositora y recién la grabó en 1964, en su primer y único disco como intérprete. (Ver discografía).

La final se realizó en el Grande Hotel de Guarujá el 3 de diciembre de 1960.

Los 21 temas clasificados, disputaban el trofeo “Noel de Ouro” diseño de la exclusiva joyería H. Stern, que alcanzaba a los tres primeros lugares.
Pero todos iban resultar premiados con medallas de oro, plata y bronce.

Clasificación final:
 1º lugar: CANÇÃO DO PESCADOR (Newton Mendonça) [*] Roberto Amaral
 2º lugar: EU (Laudelina Cotrim de Castro) Mag May
 3º lugar: SERINGUEIRO (José Assad “Beduíno”) Edilton Lopes
 4º lugar: PASSARINHO BEM QUERÊ (Barbosa Lessa) Luís Carlos Barbosa Lessa
 5º lugar: SAMBA TRISTE (Vadim da Costa Arsky)
 6º lugar: RIMAS DE NINGUÉM  [*] (Vera Brasil)
 7º lugar: GRANDE CIÚME (José Domingos da Silva) Cláudio de Barros
 8º lugar: DE AGOSTO A SETEMBRO (Armando Cavalcanti/Vitor Freire)
 9º lugar: REI ZULU CHEGÔ (José Assad “Beduíno”)
10º lugar: BOA NOITE CIDADE (Aristides Moreira Costa “Aimoré”)
11º lugar: FIM DE NOITE (Vadim da Costa Arsky)
12º lugar: AFINADO (Raul Gomide de Andrade)
13º lugar: BALADA PARA A ONDA DO MAR (Alfredo Morais)
14º lugar: ZUMBI GUERREIRO (Antônio Bueno)
15º lugar: QÜIPROCÓ SENTIMENTAL (Vadim da Costa Arsky/Fernando Araújo)
16º lugar: PINTA A CARA PALHAÇO (Hélio Amaral)
17º lugar: CONTINUE A TENTAR (Belmiro Barrela)
18º lugar: JUÍZO FINAL [*] (Lúcio Cardim Filho)
19º lugar: UIRAPURU (Alfredo Morais)
20º lugar: BRASÍLIA (Etore Agili)
21º lugar: FOI ASSIM NO COMEÇO (Horácio Souza Coutinho Filho/José Souza Coutinho)

[*] Ver discografía al pie.


Fuente:








HOMEM de MELLO, Zuza. A Era dos Festivais: uma parábola.  
São Paulo: Editora 34, 2003. 538 pág.




CANÇÃO DO PESCADOR
Letra y música: Newton Mendonça
1º lugar
Lá onde a praia termina
Mora um homem cansado da vida
Queimado do sol
E quando chega a tardinha
Ele senta pertinho do mar
E canta a triste canção
Bate onda na beira da praia
Bate onda no meu coração
Que foi moço e sonhou tantas vezes
E em noites de lua fez tanta canção
Minha vida está perto do fim
Tudo é triste para mim
Meus cabelos já tem a cor do mar
Quando é noite de lua já não posso sonhar
E quando o dia amanece
O orvalho da noite a areia da praia molhou
E quem passa por lá diz que a noite chorou
Pelo pescador

JUÍZO FINAL
Letra y música: Lúcio Cardim Filho
18º lugar
Olha, ninguém desce à lama
Sem antes saber
Que, a desgraça só chama,
Quem vive a sofrer
Que pena, deixaste a decência
Caminhas para a decadência
Trocaste o céu pelo chão
E o bem pelo mal

Sabes, o remorso no peito
Costuma bater
E, ao redor do teu leito
Ninguém hás de ter
Quem te arrasta pra lama
Não, não riscará uma chama
No dia, em que a terra tão fria
Por te receber


DISCOGRAFÍA VINCULADA

En 1961, se edita el álbum Em cada estrela uma canção como tributo a Newton Mendonça, para el cual Marisa Gata Mansa, grabó A canção do pescador, que en la ronda eliminatoria había sido interpretada por Mag May y en la final de Guarujá por Roberto Amaral (3 de diciembre de 1960).


1961 - ERNANI FILHO / MARISA GATA MANSA / CARMINHA MASCARENHAS
Álbum “Em cada estrela uma canção”
Copacabana LP 11191.
Arreglos de orquesta: Maestro Pachequinho

Lado A
1. FOI A NOITE (Newton Mendonça/Tom Jobim) Ernani Filho
2. CANÇÃO DO PESCADOR (Newton Mendonça) Marisa Gata Mansa – 1º lugar en la Festa da Música Popular Brasileira (San Pablo)

3. CANÇÃO DO AZUL
(Newton Mendonça) Marisa Gata Mansa
4. SÓ SAUDADE (Newton Mendonça/Tom Jobim) Ernâni Filho
5. CAMINHOS CRUZADOS (Newton Mendonça/Tom Jobim) Marisa Gata Mansa
6. SEU AMOR, VOCÊ (Newton Mendonça) Marisa Gata Mansa – 8º lugar en el Festival de Rio
/As dez mais lindas canções de amor (Rio de Janeiro)

Lado B
1. LUAR E BATUCADA (Newton Mendonça/Tom Jobim) Ernani Filho
2.
DISCUSSÃO
(Newton Mendonça/Tom Jobim) Carminha Mascarenhas
3.
MEDITAÇÃO
(Newton Mendonça/Tom Jobim) Carminha Mascarenhas
4. O TEMPO NÃO DESFAZ (Newton Mendonça) Ernani Filho
5. DESAFINADO (Newton Mendonça/Tom Jobim) Carminha Mascarenhas
6. SAMBA DE UMA NOTA SÓ (Newton Mendonça/Tom Jobim) Carminha Mascarenhas


Más de cuarenta años después, otro tributo a Newton Mendonça, incluyendo A canção do pescador:

2003 – CRIS DELANNO
Álbum “Caminhos cruzados. Cris Delano canta Newton Mendonça”
Ilha Verde/Ouver Records/Albatroz CD 3306744-2.

1. BRIGAS (Tom Jobim/Newton Mendonça)
2. SÓ SAUDADE (Newton Mendonça/Tom Jobim)
3. O MAR APAGOU
(Newton Mendonça)
4. NUVEM (Newton Mendonça)
5. CANÇÃO DO PESCADOR (Newton Mendonça) 1º lugar en la Festa da Música Popular Brasileira (San Pablo, diciembre de 1960)
6. O DOMINGO AZUL DO MAR (Tom Jobim/Newton Mendonça)
7. INCERTEZA (Newton Mendonça/Tom Jobim)
8. CANÇÃO DO AZUL (Newton Mendonça)
9. VERDADEIRO AMOR (Newton Mendonça)
10. SEU AMOR, VOCÊ (Newton Mendonça)
11. CAMINHOS CRUZADOS (Tom Jobim/Newton Mendonça)
12. VOCÊ MORREU P’RA MIM (Fernando Lobo/Newton Mendonça)
13. TEU CASTIGO (Newton Mendonça/Tom Jobim)
14. O TEMPO NÃO DESFAZ (Newton Mendonça)


Juízo final de Lúcio Cardim Filho, fue grabada en discos de 78 rpm.
(En Brasil, editados hasta 1964)

1961 - ANTÔNIO MARTINS
A. JUÍZO FINAL (Lúcio Cardim Filho) Samba canção - 18º lugar en la Festa da Música Popular Brasileira (San Pablo)
B. SEBASTIÃO DE TAL (Walter Paiva/Lorev) Samba canção
Copacabana 78 rpm nº 6227
Editado en el mes de abril de 1961.

1961 - ÂNGELA MARIA
A. UM DIA VIRÁ (Paganini – Adaptación: Nazareno de Brito) Bolero
B. JUÍZO FINAL (Lúcio Cardim Filho) Samba-canção - 18º lugar en la Festa da Música Popular Brasileira (San Pablo)
Continental 78 rpm nº 18.018
Editado en el mes de diciembre de 1961.

El LP donde la autora grabó en 1964, Rimas de Ninguén, 6ª clasificada, fue reeditado en Alemania en LP y CD.


1964 – VERA BRASIL
Álbum “Tema do Boneco de Palha”
Farroupilha LPFA-400
Revelation 24 (1975) [EE. UU.]
Sonorama CD C-18 / LP L-18 (2006) [Alemania]

Lado A
1. TEMA DO BONECO DE PALHA (Vera Brasil/Sivan Castelo Neto)
2. SAMBA BOM (Vera Brasil)
3. ERA UMA VEZ (Vera Brasil)
4. RIMAS DE NINGUÉM (Vera Brasil) – 6º lugar en la Festa da Música Popular Brasileira (San Pablo)
5. MINHA FÉ MEU AMOR
(Sivan Castelo Neto/Vera Brasil)
6. PRÁ VOCÊ‚ QUE NÃO VEM (Vera Brasil/Maricene Costa)

Lado B
1. O MENINO DESCE O MORRO (Vera Brasil/De Rosa)
2. QUASE ILUSÃO (Vera Brasil/Vadim)
3. O AZUL DO CÉU (Vera Brasil/Myriam Ribeiro)
4. NÃO É POR FALAR (Vera Brasil/Berto Filho)
5. DEPOIS DA CHUVA (Vera Brasil/Berto Filho)
6. TEMA PARA RECORDACÃO (Vera Brasil/Miriam Ribeiro)

Otras grabaciones de Rimas de ninguém:

1961 – MYRIAM RIBEIRO
Álbum “Apresentando Myriam Ribeiro”
Philips LP P 630.446 L, B-5.



1963 – ALAÍDE COSTA
Álbum “Afinal…”
Áudio Fidelity LP AFLP 1999, A-5.













1963 –ELIZETE CARDOSO
Álbum “A meiga Elizete nº 3”
Copacabana LP CLP 11274, A-6.

domingo, 21 de noviembre de 2010

1960 - FESTIVAL DO RIO - As 10 mais lindas canções de amor


La música popular no tenía en ese tiempo, la significación que alcanzó hacia mediados de la década. Este evento tuvo un caracter ciertamente restringido y muy poco es lo que se sabe de el.

En contrapartida, las "diez mas lindas canciones de amor", quedaron registradas en un disco.

Organizado hacia fines del año 1960 por el empresario Abraão Medina como un concurso de música popular, contó con el apoyo de la grabadora Copacabana.

Medina (padre de Roberto Medina, organizador de Rock em Rio), era dueño de la cadena comercial "Rei da Voz" -en homenaje a su amigo, el popular cantante Francisco Alves-, que patrocinaba el programa "Noite de Gala" de la TV Rio, Canal 13, conducido por Flávio Cavalcanti, quien fuera convocado para presentar el Festival.

La final tuvo lugar el 10 de noviembre de 1960, en la sede del Tijuca Tênis Clube y las "diez mas lindas canciones" clasificadas para la final entre las mas de 1.000 mil inscriptas, fueron:

Los 2 primeros lugares:
1º lugar: CANÇÃO EM TOM MAIOR (Ary Barroso) Ted Moreno
2º lugar: TERNURA ANTIGA (José Ribamar/Dolores Duran) Lucienne Franco

Las otras finalistas:
RESSURREIÇÃO DOS VELHOS CARNAVAIS (Lamartine Babo) Roberto Silva
O CÉU VIRÁ DEPOIS (Sérgio Malta) Jorge Goulart
SERÁ TARDE (Renan França/Vera Falcão) Ernani Filho
PROCURA SONHAR COMIGO ESTA NOITE (Abílio de Lessa) Carlos José
EU NÃO TENHO PARA ONDE IR (Edson Borges) Agnaldo Rayol
SEU AMOR, VOCÊ (Newton Mendonça) Lenita Bruno - 8ª Lugar
AFINAL, CHEGASTE (Paulo Soledade) Zezé Gonzaga
POEMA DO ADEUS (Luís Antônio) Miltinho


LETRAS REPRESENTATIVAS

CANÇÃO EM TOM MAIOR
Letra y música: Ary Barroso
Eis aqui uma canção em tom maior
Pra cantar toda a alegria de viver
Pra cantar um certo amor
Que é a razão de meu sofrer
Numa dor que não maltrata
E que é boa de doer
Melodia harmonizada ao natural
Escutando a voz do mestre universal
O coração
Em quatro tempos
Se marca o compasso ideal da canção
Como em quatro tempos vivemos a vida
Interpretação simples da vida
Lá-rá... Lá-rá... Lá-rá... Lá-rá...
Eis aqui uma canção em tom maior
Pra cantar esse poema que é meu bem
Pra viver, com meu bem, mais ninguém


TERNURA ANTIGA
Bella letra de Dolores Duran, grabada por Tito Madi en 1961 tuvo mucha repercusión.
Música: José Ribamar
Ai, a rua escura, o vento frio
Esta saudade, este vazio
Esta vontade de chorar
Ai, tua distância tão amiga
Esta ternura tão antiga
E o desencanto de esperar
Sim, eu não te amo porque quero
Ah, se eu pudesse esqueceria
Vivo, e vivo só porque te espero
Ai, esta amargura, esta agonia

POEMA DO ADEUS
Letra y música: Luís Antônio
Então eu fiz um bem
Dos males que passei
Fiz do amor
Uma saudade de você
E nunca mais amei
Deixei nos olhos seus
Meu último olhar
E ao bem do amor
Eu disse adeus

Caminho o meu caminho
E nos lugares que passei
As pedras do caminho
São o pranto que chorei
Escondo em minhas mãos
Carinhos que eram seus
E guardo sua voz
No poema do adeus

RESSURREIÇÃO DOS VELHOS CARNAVAIS
(Marcha-Rancho)
Letra y música: Lamartine Babo
Os dados estão relembrando
Os nossos velhos carnavais
Arlequins sensuais amam Colombinas
De pompons grenàs
Passam na visão dos meus sonhos
Os pierrôs tão tristonhos
A tocar bandolins entre ais
Implorando em vão
A ressurreição
Desses carnavais

Vem, vem, vem Colombina sonhar
Vem, vem
Que Pierrô vive a chorar
Com ansiedade
Triste Pierrô
Se transformou em saudade
Vem, vem, vem Arlequim
Que a tua sina
Era adorar a Colombina
Dos carnavais que não voltam mais
Vem, vem, vem Colombina...

D I S C O G R A F Í A

1960
Álbum “Festival do Rio - As 10 Mais Lindas Canções de Amor”
[Varios intérpretes]
Copacabana LP CLP - 11172

Lado A
1. POEMA DO ADEUS (Luís Antônio) Miltinho
2. TERNURA ANTIGA (José Ribamar/Dolores Duran) Lucienne Franco
3. SERÁ TARDE (Renan França/Verinha Falcão) Ernani Filho
4. PROCURA SONHAR COMIGO ESTA NOITE (Abílio de Lessa) Carlos José
5. EU NÃO TENHO PARA ONDE IR (Edson Borges) Agnaldo Rayol

Lado B
1. RESSURREIÇÃO DOS VELHOS CARNAVAIS (Lamartine Babo) Roberto Silva
2. SEU AMOR, VOCÊ (Newton Mendonça) Lenita Bruno
3. CANÇÃO EM TOM MAIOR (Ary Barroso) Ted Moreno
4. AFINAL, CHEGASTE (Paulo Soledade) Zezé Gonzaga
5. O CÉU VIRÁ DEPOIS (Sérgio Malta) Jorge Goulart



1961 – LUCIENNE FRANCO
A. POEMA DO ADEUS (Luis Antônio) Samba canção
B. TERNURA ANTIGA (José Ribamar/Dolores Duran) Samba canção
Copacabana 78 rpm nº 6226
Editado en el mes de marzo de 1961.



sábado, 20 de noviembre de 2010

1966 - II FESTIVAL NACIONAL DE MÚSICA POPULAR

La segunda (y última) edición del Festival de la TV Excelsior (Canal 9 de São Paulo), tuvo lugar entre el 29 de abril y el 6 de junio de 1966.

De las 5 rondas eliminatorias realizadas en las ciudades de Guarujá, Porto Alegre, Recife, Ouro Preto y Rio de Janeiro, participaron 50 canciones semi-finalistas, sobre 2.779 inscriptas. La final tuvo lugar en San Pablo.


En el Jurado, nombres como Edoardo de Guarnieri, Radamés Gnatalli, César Guerra Peixe, Diogo Pacheco, Rubem Braga y Paulo Mendes Campos.

Trofeos: "Berimbau de Ouro", "Berimbau de Prata" y "Berimbau de Bronze" para los tres primeros lugares.

El primer premio para "Porta Estandarte" de Geraldo Vandré y Fernando Lona, interpretada por Airto Moreira y Tuca, fue muy bien recibido y significó sobre todo para Vandré el camino a la consagración como artista. 

 
PORTA ESTANDARTE
Letra: Geraldo Vandré
Música: Fernando Lona
© 1966

olha que a vida tão linda
e se perde em tristezas assim
desce o teu rancho cantando
essa tua esperança sem fim
deixa que a tua certeza
se faça do povo a canção
p'ra que teu povo cantando
o teu canto ele não seja em vão
eu vou levando a minha vida enfim

cantando
que canto sim
e não cantava se não fosse assim
levando
p'ra quem me ouvir
certezas e esperanças p'ra trocar
por dores e tristezas que bem sei
um dia ainda vão findar
um dia que vem vindo
e que eu vivo p'ra cantar
na avenida girando
estandarte na mão p'ra anunciar

olha que vida
tão linda
tão linda
perdida
perdida
tão linda
perdida


Los 5 primeros premios:
1º lugar: PORTA ESTANDARTE (Geraldo Vandré/Fernando Lona) Tuca & Airto Moreira
2º lugar: INAÊ (Vera Brasil/Maricene Costa) Nilson Prado
3º lugar: CHORA CÉU (Luís Roberto/Adilson Godoy) Cláudia
4º lugar: CIDADE VAZIA (Baden Powell/Lula Freire) Milton Nascimento
5º lugar: BOA PALAVRA (Caetano Veloso) Maria Odette

Las otras finalistas:
TIC-TAC - Doroty
COMUNHÃO - Edgar Pozer
FIM DE TRISTEZA - Doroty
PRELÚDIO PARA UM AMOR QUE COMEÇOU - Sônia Lemos
BALANÇA A ROSEIRA - Flora
JOGA A TRISTEZA NO MAR – Germano Batista
BEM BOM NO TOM – Djalma Dias (29-4-66) / Carmen Silva (5-6-66)
MOTIVOS – Sílvio Aleixo
MENSAGEM (Adilson Godoy) Cláudia (6-5-66) / Djalma Dias (5-6-66)
SE A GENTE MORRESE DE AMOR - Silvinha
ACALANTO
PERDÃO – Maria Odette (27.5.66) / Clara Nunes (5-6-66)
IRREMEDIAVELMENTE – Silvinha (20-5-66) / Érica Norimar (5-6-66)
CANÇÃO PARA UM MAIÓ AZUL COM BOLINHAS BRANCAS – Jair Campos


La Discografía, significativamente menor que la del Festival anterior, da cuenta que al menos los 5 primeros premios fueron grabados ese mismo año (en singles y LP´s).

1 ) "Porta Estandarte"



  
1966 - GERALDO VANDRÉ e TUCA
Álbum "Porta Estandarte"
A. PORTA ESTANDARTE (Geraldo Vandré/Fernando Lona) Geraldo Vandré y Tuca
“Berimbau de Ouro” 1966 (1º Lugar - II Festival Nacional da Musica Popular Brasileira)
B. VOCÊ QUE NÃO VEM (Geraldo Vandré) Geraldo Vandré y Tuca
Grabado en estudio en Junio de 1966.
Chantecler S 7” nº C-33-6200  



 
1966 - GERALDO VANDRÉ
A. PORTA ESTANDARTE (Geraldo Vandré/Fernando Lona) Geraldo Vandré com o Trio Novo [Airto Moreira/Heraldo do Monte/Théo de Barros] e Os 3 Moraes [Jane, Sidney e Roberto Espírito Santo]
B. ROSA FLOR (Baden Powell/Geraldo Vandré) Geraldo Vandré com o Trio Novo 
[Airto Moreira/Heraldo do Monte/Théo de Barros]
Som/Maior S 7” nº SMCS-11





 
1966 - GERALDO VANDRÉ
Álbum “5 anos de canção”
Som/Maior LP SMLP 1526, A-1. Porta Estandarte.
RGE LP 303.2001, A-1. 


 
1966 – DALVA DE OLIVEIRA
A. MÁSCARA NEGRA (Zé Keti/Pereira Matos)
B. PORTA ESTANDARTE (Geraldo Vandré/Fernando Lona)
Odeon S 7” nº 7B-197




1967 – DALVA DE OLIVEIRA
Álbum “A cantora do Brasil”
Odeon LP MOFB 3484, B-1. Porta Estandarte.






 
1966 – ROBERTO AMARAL
Álbum “De Brasil - Carnaval 67” [Varios intérpretes]
Fermata LP FB 162, B-1. Porta Estandarte.




 
1966 - OS POLIGONAIS
[Vicente de Paula Salvia/Edmar Antonio de Tomy "Pia"/Oswaldo/José Albino Pestana/Vidal Sbrighi/Sergio]
Álbum “Novas Idéias”
Farroupilha LPFA-421, A.5. Inaê / B.5. Porta Estandarte.




1968 – HELENA DE LIMA / BANDA DA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DA GUANABARA
Álbum “Helena De Lima e a Banda da Polícia Militar do Estado da Guanabara”
RGE LP XRLP 5.318,  A-4. Porta Estandarte.
Reeditado (1969) Premier PRLP 1068, A-4.



2 ) "Inaê"


1966 - JAIR RODRIGUES
Álbum “O sorriso do Jair”
Gravado ao vivo no Teatro Record, São Paulo
Philips LP P 765.004 P, A-1. Inaê.





1966 - SAMBOSSA 5
[Luiz Mello/Klayber/Turquinho/Buda/Kuntz/Maguinho]
Álbum “Zero Hora”
RCA LP BBL 1382, A-5. Inaê.

  


3 ) "Chora céu"  


1966 – CLAUDIA
Álbum "II Festival Nacional da Música Popular"
A. CHORA CÉU (Luis Roberto/Adilson Godoy)
B. MENSAGEM (Adilson Godoy)
RGE S 7” nº CS-70.208




1967 – CLAUDIA
Álbum “Claudia”
RGE LP XRLP 5.308, A-6. Chora Céu / B-6. Mensagem.
Som Livre CD 0507-2 (2006)






1966 - LUIZ LOY QUINTETO
[Luiz Loy/Roberto Bandeira/Zinho/Mazola/Papudinho]
Álbum “Luiz Loy Quinteto”
RGE LP XRLP 5.301, B-6. Chora Céu.




4 ) "Cidade vazia"

Há um momento na vida / Em que é preciso lutar / É quando um sonho da gente /
Resolve um dia acordar // Não adianta sorrir / Nem vale a pena cantar /
Se é verdade que o amor / Um dia vai se acabar // E quem disser que o amor /
é uma pobre canção / Já não merece perdão / Por essa pobre ilusão // E chora o vento da tarde /
E chora a água do casi / Nessa cidade vazia / Onde ninguém mora mais // Até o céu adormeceu /
Nem mesmo o sol / Hoje nasceu / E toda cor se transformou // Numa tristeza de viver /
Por isso o jeito é lutar / Para de novo voltar / O amor que a vida perdeu //
Na flor que se desprendeu / E é tanta gente na Terra / Que vamos ter de mostrar /
Que o amor é dia sereno // É o horizonte do mar / E quem quiser entender / E se puder ajudar/
Nosso desejo é fazer / Todo o Universo se amar


1966 - ELIZETH CARDOSO
con Participación de SOM TRÊS [César Camargo Mariano/Sabá/Toninho]
Álbum “Muito Elizeth- De Pixinguinha a Chico Buarque de Hollanda””
Copacabana LP CLP 11483, B-1. Cidade Vazia.



1966 - SOM TRÊS
[César Camargo Mariano/Sebastião “Sabá” Oliveira Da Paz/Antônio “Toninho” Pinheiro]
Instrumental
Álbum “Som/3”
Som/Maior LP SMLP 1518, B-1. Cidade Vazia.




1966 - TEMA TRÊS
[Gilson Peranzzetta/Gilberto Alban/Luiz Roberto]
Álbum “Tema Três”
Atonal LP AT 30.006, A-6. Cidade Vazia.




5 ) "Boa Palavra"


Aprendeu sozinho / Na areia, no chão / A brincar sozinho / Sem a mão de um irmão /
Aprendeu com o vento / Que o sono passou / E acordou sozinho no sol, sem amor //
Tava dormindo acordei / Para acertar um namoro / Me deram o que de beber /
Numa caneca de ouro // Não lhe deram nada / Não é seu este chão / Deita olhando o céu /
Que o céu não tem dono, não / Como um pasarinho aprende a voar /
Solta o pensamento num braço de mar // Voou pra beira do rio / Pousou no poço dourado /
Moça com seu namorado / Rico com seu empregado // Aprendeu sozinho / Deitado no chão /
A esperar sozinho / Tempo de encontrar, irmão / Inda madrugada espera nascer /
Não lhe deram nada mas / Não quer morrer // Boa palavra rapaz / Boa palavra rapaz /
Boa palavra rapaz / É assim que um homem faz / É assim que um homem faz /
É assim que um homem faz


 
1966 - MARIA ODETTE
Acompanhada pelo Trio 3-D [Antônio Adolfo/Cacho Pomar/Nelson Serra]
A. BOA PALAVRA (Caetano Veloso)
Premiada no II Festival da Música Popular Brasileira
B. É DE MANHÃ (Caetano Veloso)
Mocambo/Rozenblit S 7” nº 1.140




1966 - ELIS REGINA
Álbum “Elis”
Philips LP P 765.001 P, A- 6. Boa Palavra.





Otras grabaciones



1967 - ADYLSON GODOY
A. FIM DE TRISTEZA (Adylson Godoy)
II Festival Nacional da Música Popular
B. DÁ-ME (Adylson Godoy)
RGE S 7” nº 70.209